Deficientes auditivos no ambiente escolar regular: realidades enfrentadas perante à inclusão - uma revisão bibliográfica

Amanda Franciele Valandro

Resumo


Introdução: Hoje em dia, busca-se integrar a vida escolar dos deficientes auditivos no seu meio social e geográfico, devendo tais indivíduos contar com o apoio necessário da escola em que ingressar, e também com o auxílio da sociedade no qual estão inseridos. Porém, embora o processo de inclusão no ambiente escolar regular seja algo concreto, muitos são os pontos negativos que ainda o permeiam e fazem com que a qualidade do ensino seja inferior, em relação ao de alunos ouvintes. Objetivo: Apresentar as dificuldades vividas por deficientes auditivos no ambiente escolar regular e as realidades que eventualmente se formam mediante a inclusão. Metodologia: A pesquisa foi realizada em março de 2018, usando como base de dados o Scielo, com os descritores ‘’inclusão escolar’’ e ‘’surdos’’. Foram encontrados 15 artigos dos quais 13 constituíram o trabalho. Ainda, foram utilizados mais artigos, todos selecionados na base de dados Scielo, usando os mesmos descritores, porém acrescentando “professores” e “mães”. Além dos artigos mencionados, foram utilizados quatro livros retirados na biblioteca do Centro Universitário Cenescista de Osório, que abrangiam a linguagem dos surdos e a inclusão destes no meio escolar. Referencial teórico: Os professores relatam um sentimento de desafio, insegurança e reforçam a importância do interprete no processo de inclusão. Eles utilizam imagens que são muito benéficas na hora da aprendizagem. A experiência de inclusão é tão satisfatória para os alunos ouvintes, quanto para os surdos, pois eles tornam-se cidadãos menos preconceituosos. A visão dos pais é positiva em relação à inclusão dos filhos em escola regular, porém lhes faltam compreender mais sobre o processo de escolarização. Eles também compreendem o quanto ser presente nesse processo, auxilia ainda mais na aprendizagem e diminui as dificuldades dos seus filhos nesse meio. Os indígenas também ganham espaço nesse contexto, porém o processo de inclusão destas pessoas não acontece sem a quebra de paradigmas e mudanças nas ideias e opiniões sobre as diferenças. Conclusão: As realidades enfrentadas por deficientes auditivos perante o processo de inclusão vão desde a falta de preparo das escolas até a falta de conscientização da sociedade em que estão inseridos. São necessárias alternativas para mudar esse cenário, ainda mais para que esse público não tenha tanta dificuldade no processo de escolarização e nem no meio social.


Palavras-chave


inclusão escolar; surdos; fisioterapia preventiva

Texto completo:

PDF [Português Brasil]

Referências


ASPILICUETA Patrícia; LEITE, Carla D.; ROSA, Emileine C. M.; CRUZ, G. C.; A questão linguística na inclusão escolar de alunos surdos: ambiente regular inclusivo versus ambiente exclusivamente ouvinte; Revista Brasileira Educação Especial, vol.19, no.3, 2013.

BEYER, Hugo O.; Inclusão e avaliação na escola: de alunos com necessidades educacionais especiais; 4. ed. – Porto Alegre: Mediação, 2013.

BRUNO, Marilda M. G.; COELHO, Luciana L.; Discursos e Práticas na Inclusão de Índios Surdos em Escolas Diferenciadas Indígenas; Revista Educação Real, vol.41, no. 3 Porto Alegre Jul/Set. 2016

BRUNO, Marilda M. G.; LIMA, Juliana M. S.; As Formas de Comunicação e de Inclusão da Criança Kaiowá Surda na Família e na Escola: um Estudo Etnográfico; Revista Brasileira Educação Especial, vol.21, no.1 Marília Jan./Mar. 2015

CARVALHO, Rosita E. Educação inclusiva: com os pingos nos "is". 6. ed. Porto Alegre: Mediação, 2004.

COELHO Luciana L.; BRUNO Marilda M. G. A constituição do sujeito surdo na cultura guarani-kaiowá: os processos próprios de interação e comunicação na família e na escola; n. 25, jul./dez. 2013, Campo Grande.

GÓES, Maria; Linguagem, Surdez e Educação; Revista Campinas SP; 3.ed., Autores associados; fevereiro de 2002.

LACERDA, Cristina B. F.; A inclusão escolar de alunos surdos: o que dizem alunos, professores e intérpretes sobre esta experiência; Caderno CEDES, vol. 26, n. 69, Campinas maio/ago. 2006.

LACERDA, Cristina B. F.; O que dizem/sentem alunos participantes de uma experiência de inclusão escolar com aluno surdo; Revista Brasileira Educação Especial, v.13, n.2, Marília, mai/ago 2007.

OLIVEIRA, Walquiria D.; BENITE, Anna M. C.; Aulas de ciências para surdos: estudos sobre a produção do discurso de intérpretes de LIBRAS e professores de ciências; Ciências e educação, vol.21 no.2, Bauru abr/jun 2015.

PETEAN, Eucia B. L.; Deficiência auditiva: escolarização e aprendizagem de língua de sinais na opinião das mães; Paidéia, 2003,12(24), 195-204

RESENDE, Alice A. C.; LACERDA, Cristina B. F.; Mapeamento de alunos surdos matriculados na rede de ensino pública de um município de médio porte do estado de São Paulo: dissonâncias; Revista Brasileira Educação Especial, vol.19, n.3, 2013.

RIBEIRO, Camila B.; SILVA, Daniele N. H.; Trajetórias Escolares de Surdos: Entre Práticas Pedagógicas e Processos de Desenvolvimento Bicultural; Revista Psicologia: Teoria e Pesquisa, vol.33, Brasília, 2017.

ROSA, Andréa S. Tradutor ou Professor? Reflexão preliminar sobre o papel do intérprete de língua de sinais na inclusão do aluno surdo; PONTO DE VISTA, Florianópolis, n. 8, 2006.

SALES, Elielson R.; PENTEADO, Miriam G.; MOURA, Amanda Q.; A Negociação de Sinais em Libras como Possibilidade de Ensino e de Aprendizagem de Geometria; Revista Bolema vol. 29 no. 53 Rio Claro Dez. 2015.

SCHEMBERG, Simone; GUARINELLO, Ana C.; MASSI, Giselle; O ponto de vista de pais e professores a respeito das interações linguísticas de crianças surdas; Revista Brasileira Educação Especial, vol.18 no.1 Marília Jan./Mar. 2012

SILVA, Carine M.; SILVA, Daniele N. H.; Libras na educação de surdos: o que dizem os profissionais da escola? Revista Psicologia Escolar e Educacional, vol.20 no.1 Maringá Jan./Abr. 2016

SILVA, Carine M.; SILVA, Daniele N. H.; SILVA, Renata C.; Inclusão e processos de escolarização: narrativas de surdos sobre estratégias pedagógicas docentes; Revista Psicologia e Estudo, Vol.19 no.2 Maringá Abr./Jun 2014


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN 2595-8364